PUBLICIDADE

sábado, 16 de junho de 2012

A DANÇA DAS BAILARINAS CEGAS

A dança das bailarinas cegas
Com método próprio e sensibilidade, professora de balé já ensinou mais de 300 deficientes visuais.
Quando começou a ensinar balé clássico a adolescentes cegas, a professora de dança Fernanda Bianchini ouviu de muitos colegas que seria impossível transformar as moças em bailarinas, pois era preciso que o aluno enxergasse os movimentos para poder imitá-los. O início foi de fato desanimador. Tentava ensinar posições e passos ajustando braços e pernas das meninas – as sequências eram reproduzidas, mas logo se afrouxavam. A turma começou a progredir quando as próprias alunas sugeriram um método de aprendizado que se revelou muito mais eficiente: pediram para tocar o corpo de Fernanda enquanto ela fazia cada movimento. Se não tinham o sentido da visão, as garotas podiam contar com o tato. Imitavam, a partir das impressões captadas pelos dedos, a disposição dos músculos da professora ao realizar abertura de pernas, ao executar dobraduras ou ao ficar na ponta dos pés. Era 1995, e ela tinha apenas 16 anos.


Nos últimos 16 anos, mais de 300 crianças e adolescentes com deficiência visual passaram pela Associação de Balé e Artes, no bairro Vila Mariana, em São Paulo, onde Fernanda, hoje com 32 anos, leciona. O Balé de Cegos, como é conhecida a companhia, já inspirou escolas de dança no país e no exterior. Formada em fisioterapia e em dança, a bailarina abusou da criatividade. Para tornar os movimentos das meninas mais fluidos, por exemplo, amarrou folhas de palmeira nos braços delas e orientou-as a não deixar as asas imaginárias desgrudar de seus membros. Aos poucos, evoluíram dos posicionamentos estáticos para rodopios e piruetas.

A companhia mantém-se com doações e com o investimento de patrocinadores. As bailarinas já fizeram apresentações em várias regiões do país, pelas quais receberam cachê. “O balé não aprimora somente a postura, o equilíbrio, a noção espacial e corporal – o principal trabalho é sobre a autoestima do deficiente visual”, observa Fernanda. As aulas de balé, sapateado e dança de salão são gratuitas, ministradas na Associação de Balé e Artes, na rua Humberto I, 298, Vila Mariana, em São Paulo. Informações: (11) 5575-9898 ou no site 

www.ciafernandabianchini.org.br/.
Fonte: Portal da Educação Física
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...