PUBLICIDADE

sexta-feira, 17 de maio de 2013

APRENDER A MONTAR O PROJETO É O PRIMEIRO PASSO PARA CONSEGUIR PATROCÍNIO EM EDUCAÇÃO FÍSICA


aprender-a-montar-o-projeto-e-primeiro-passo-para-conseguir-patrocinio-em-educacao-fisica
Quem precisa organizar um evento sabe que, além de todo o trabalho com os preparativos, o que tira o sono é a verba dispendida com todos os detalhes. Cursos e assessorias podem ajudar a desenvolver proposta de patrocínio.Os atletas que desejam se dedicar exclusivamente aos treinamentos para poder se aprimorar no esporte e melhorar sua posição em rankings específicos também conhecem a quantidade de gastos que essa dedicação pode implicar. Por esses motivos que muitos buscam auxílio financeiro ou em produtos – a famosa permuta – com empresas patrocinadoras. Todavia, André Fernandes (http://profandrefernandes.blogspot.com.br/), empresário da área fitness e presidente do conselho do CREF 1, conta que conseguir o patrocínio é algo bastante difícil no Brasil...

A realidade do patrocínio em Educação Física“A realidade que temos é a de que o atleta faz o projeto de patrocínio e, normalmente, não está preparado para a elaborá-lo e, com isso, acaba sem o patrocinador. O atleta até pode cria-lo, mas o ideal é que peça pra alguém que conheça a elaboração de projetos de patrocínioesportivo, que saiba apresenta-lo e conheça a sistemática desse processo”, orienta.

Para Georgios Hatzidakis, gerente administrativo da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e professor das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), ao criar um projeto de patrocínio emEducação Física, deve-se conhecer a empresa para a qual irá apresenta-la para saber suas necessidades, público-alvo que atinge, se ela quer visibilidade ou vendas etc para poder apresentar um projeto organizado. “Tem que saber que o apoiador vai ser seu cliente e, por isso, é preciso saber quais são suas estratégias de marketing e sua capacidade financeira”, explica.

O projeto de patrocínio vai variar de acordo com sua função: é para um evento, para um atleta, para um time, um workshop específico - e, segundo Fernandes, deve conter os seguintes itens:

- Justificativa: o que vai atender, qual o motivo de sua existência;

- Objetivo: qual o motivo da solicitação;

- Desenvolvimento: o detalhamento de tudo o que vai acontecer, seja evento ou competição esportiva;

- Custos: se for um projeto anual, tem que ter noção de quanto será gasto e com quais itens.

Para quem oferecer um projeto de patrocínio em Educação Física?Escolher pra quem pedir o patrocínio em Educação Física é outro “pulo do gato”, segundo o presidente do conselho do CREF 1. “Se o projeto é pequeno, local, não adianta buscar grandes empresas. Tem que buscar as regionais. Agora, se o projeto é nacional ou internacional ou se vai ter atenção da mídia nacional ou estrangeira, aí vale a pena buscar grandes empresas. Pessoa física também pode ser patrocinadora, mas é difícil porque ela não tem vantagem nenhuma em termos de impostos.”

Hatzidakis orienta que o atleta ou organizador de evento faça uma segmentação do mercado e visite a empresa antes de encaminhar sua proposta de projeto de patrocínio em Educação Física. “Essa proposta pode ser enviada até em vários meios: digitada, em vídeo, das duas formas para não correr risco de não conseguirem ler algum formato”, destaca o professor.

Patrocínio em Educação física: a cabeça do outroPensar como patrocinador também é importante para não apresentar uma proposta depatrocínio em Educação Física sem noção. Saber o que o seu investidor vai querer em retorno é essencial: “na maioria das vezes é visibilidade, porque o patrocinador espera que a marca dele tenha retorno e, normalmente, as pequenas e médias empresas não sabem quais são as estratégias de patrocínio e acabam usando sua verba em eventos que não tem a ver com seu negócio, não têm retorno e depois dizem que patrocinar não funciona e não querem investir em mais ninguém”, conta Fernandes.

Conhecer os seus atributos para poder oferece-los às empresas com valores semelhantes também é um bom caminho a ser trilhado e segundo Hatzidakis. Assim, “um atleta de atletismo oferece com sua imagem velocidade, carisma, resistência, força de vontade: valores que a empresa quer aliar à sua marca”. O retorno que o atleta vai dar ao investidor pode ser de exposição na mídia – e aí ele precisa aparecer bastante na mídia, sempre usando algo que remeta a esse patrocinador – ou aumento de vendas e aí o beneficiado deve ceder sua imagem para comerciais da empresa.

Existem leis de âmbito federal, estadual e municipal que regulamentam os benefícios para o patrocinador esportivo e que garantem descontos em alguns impostos para a empresa patrocinadora. André Fernandes citou a Lei Pelé, nº 9.615, de 24 de março de 1998 como uma delas, que garante em âmbito federal descontos no Imposto de Renda para quem incentivar o esporte no país e que é pouco usada pelas instituições. O mesmo garante a Lei do Incentivo ao Esporte, nº 11.438, sancionada em dezembro de 2006, também federal.

Para quem incentiva, quanto menos patrocínios o evento ou atleta tiver, melhor, já que sua empresa tende a ganhar mais destaque. Todavia, cabe ao atleta checar a relação entre a verba que ele precisa e aquela que recebe para determinar se vale a pena sugerir cotas de patrocínioa outros estabelecimentos, sem estabelecer valores mínimo ou máximo para tal.

Menos burocracia aos atletas que buscam patrocínio em Educação FísicaO atleta que precisa de patrocínio não precisa, necessariamente, se tornar uma pessoa jurídica para poder receber o incentivo. “Algumas empresas - em especial as grandes – exigem que o repasse de dinheiro seja feito de empresa para empresa, como se fosse uma assessoria, mas na verdade não precisa, porque elas podem alegar que esse dinheiro foi uma doação”, orienta Fernandes, demonstrando que a burocracia pode ser menor do que esperada. Hatzidakis conta que um contrato cedendo os direitos de imagem do evento/atleta por tempo determinado pode ser realizado para firmar o patrocínio também.

Quem tiver dúvidas sobre todo o processo pode buscar informações sobre a estratégia de desenvolvimento de projetos de patrocínio em Educação Física por meio de cursos para organizações de eventos ou projetos. Fernandes conta que as assessorias esportivas também podem ajudar nesse desenvolvimento e, como não há um órgão regulador dessas assessorias, pode-se pesquisar sobre elas ou pedir recomendações a quem já é cliente.

“O ideal é que o atleta busque um profissional que saiba elaborar o projeto e outro que saiba vendê-lo, mas, se não tiver condições financeiras, pode desenvolver o projeto sozinho e tentar mostrar que público ele atinge”, afirma Georgios Hatzidakis, que destaca que não adianta enviar o projeto para 150 empresas sem qualquer critério: é preciso pesquisar o mercado para não perder o próprio tempo e o da instituição ao criar expectativas que não serão concretizadas. Além disso: “patrocínio não é esmola. A empresa vai ter lucro com ele, é um negócio”, frisa o professor.

“Acho que a dica principal que podemos deixar é a de que atletas e organizadores de eventos que forem precisar de patrocínio devem ter a noção exata de quais são os objetivos dele com o evento para pensar nas formas de retorno que podem oferecer ao patrocinador”, diz Fernandes. Afinal, com uma proposta bem elaborada em mãos, as chances de haver uma recusa são bem menores.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...