PUBLICIDADE

segunda-feira, 3 de junho de 2013

CENTROS DE INICIAÇÃO ESPORTIVA

As inscrições ficaram abertas até o último dia 05 de abril, para inscrição de cidades com com população à partir de 70 mil habitantes interessadas em receber Centros de Iniciação ao Esporte.  







A descoberta de novos talentos e o crescimento da base do esporte de alto rendimento estão entre os requisitos para transformar o Brasil numa potência esportiva a partir dos Jogos Olímpicos e dos Jogos Paraolímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Para que os Jogos Olímpicos assegurem o máximo legado ao esporte e à sociedade brasileira, o governo federal está proporcionando às prefeituras a oportunidade de construir os Centros de Iniciação ao Esporte (CIEs), instalações nas quais crianças e jovens poderão iniciar a prática de diversas modalidades esportivas. Os CIEs integram as ações do Programa de...
Aceleração do Crescimento (PAC) e priorizam modalidades olímpicas e paraolímpicas integrantes do Plano Brasil Medalhas. As prefeituras interessadas podem se inscrever no portal do Ministério do Esporte (http://www.esporte.gov.br/cie).

A seleção será feita por meio de carta-consulta que está disponível no sítio de inscrição. São elegíveis os municípios que compõem o Grupo 1 do PAC – integrantes das regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Curitiba, Porto Alegre, Distrito Federal e Região Integrada do Entorno do Distrito Federal; também cidades com mais de 70 mil habitantes nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste; e aquelas com mais de 100 mil habitantes no Sul e Sudeste. Para receber os centros, o município deverá ter disponibilidade de terreno em localização, condições de acesso e características adequadas para a implantação da estrutura.

Há três opções de módulo para o projeto do centro, e em todos eles as instalações serão erguidas com parâmetros oficiais. No primeiro, com área mínima de 2,5 mil m², as instalações previstas comportam as seguintes modalidades olímpicas: Badminton, Basquetebol, Boxe, Esgrima, Ginástica Rítmica, Handebol, Judô, Levantamento de Peso, Lutas, Taekwondô, Tênis de Mesa e Voleibol. As modalidades paraolímpicas são: Esgrima em cadeira de rodas, Goalball, Halterofilismo, Judô, Tênis de Mesa e Voleibol Sentado. E uma não olímpica, o Futebol de Salão. O custo estimado é de R$ 2,4 milhões. O segundo modelo, com área de 3,5 mil m², mantém as estruturas para as mesmas modalidades e acrescenta quadra poliesportiva externa. O custo deste módulo é de R$ 2,6 milhões. Já o terceiro modelo, em área de 7 mil m², mantém as instalações do primeiro e acrescenta estrutura para atletismo. Aqui, o custo é de R$ 3,2 milhões. A prefeitura deverá escolher o que melhor se enquadra nas características do município.

O processo de seleção das propostas dará prioridade àquelas que contemplem regiões de vulnerabilidade social e com maior déficit de equipamento esportivo. A quantidade de propostas que cada município poderá apresentar é definida de acordo com a população de cada região: municípios com até 300 mil habitantes podem apresentar uma proposta; de 300 a 500 mil, duas; de 500 a 800 mil, três; de 800 mil a 2 milhões, quatro; e com mais de 2 milhões de habitantes, até cinco propostas.

O PAC prevê a contratação de 300 instalações ainda neste ano, com investimento de R$ 800 milhões. O prazo para inscrição segue até o dia 5 de abril, e a divulgação das propostas pré-selecionadas está prevista para 17 de maio. O governo federal recomenda que os municípios façam as licitações pelo Regime Diferenciado de Contratações (RDC).

Fonte: Ministério do Esporte

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...